Desde o outono de 2013, Andreas Zühlke dirige o grupo de metais da Orquestra Sinfônica Colegium Musicum Potsdam, assim como prepara todo o conjunto, atuando como regente adjunto quando necessário. Iniciou seus estudos de trompete já aos sete anos de idade e logo passou a tocar em diferentes grupos. Sua versatilidade tem permitido que se dedique a distintos estilos musicais, como Big Band, Orquestra de Metais, Dixieland e música folclórica tradicional, até o trabalho específico de uma orquestra sinfônica. Ao lado de sua formação principal em música com especialização em Trompete na Universidade de Potsdam, os cursos especiais de regência e sua pratica junto a distintas orquestras, fizeram com que sua habilidade como regente se desenvolvesse. Entre seus mestres estão MD Siegmund Goldhammer, Gabriele Tschache, Prof. Kristian Commichau, Prof. Peter Vierneisel, MD Peter Brünsing e Peter Feigel. Ao lado de sua atividade como regente do 1. Brandenburgischen Garde-Blasmusikkorps, Andreas Zühlke atua também, desde 2010, como segundo regente do projeto Projektarbeitsphasen des Landesjugend-Blasorchesters Brandenburgo. Além de professor de música em ginásios da região de Potsdam, atua ainda como professor de Biologia.

O maestro brasileiro Parcival Módolo nasceu em Americana, SP. Após estudar, ensinar e reger nas principais cidades brasileiras, foi para a Alemanha, para o mestrado na Westfälische Landeskirchenmusikschule, em Herford, especializando-se em música dos séculos XVII e XVIII. Enquanto lá esteve, regeu várias orquestras como maestro convidado e tornou-se titular da Orquestra Sinfônica de Sundern, Westfalia. Entre seus professores estão alguns dos maiores nomes do cenário musical internacional, como Nikolaus Harnoncourt, Zubin Metha, M. Stefani e Sergiu Celibidache. No Brasil, estruturou a Orquestra Sinfônica Municipal de Americana, tornando-se seu Regente Titular e Diretor Artístico por 14 anos, até 1998. Em 1989, a convite da University of San Diego, na Califórnia, foi aos Estados Unidos para lecionar naquela universidade, quando, então, recebeu bolsa de estudos para doutorado na University of Southern California, em Los Angeles, e o convite para reger em San Diego. Desde 1999 é Coordenador Geral da Divisão de Arte e Cultura do Instituto Mackenzie em São Paulo, e desde 2005, consultor do Festival de Música de Cusco, no Peru, bem como maestro oficial do seu concerto de encerramento; também dirigiu festivais similares em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Em 2006 foi nomeado Maestro Honorário Permanente da Orquestra Sinfônica Jovem Nacional do Peru. O mesmo titulo foi-lhe outorgado pela Orquestra Nacional de Cuba em Havana (2010). Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, SP, desde 2007, ao desejar desligar-se em 2009, foi insistentemente convidado a permanecer ligado ao grupo como Diretor Artístico. Em 2010 reassumiu a função de Regente Titular, somente afastando-se definitivamente em agosto de 2011, novamente por seu próprio desejo. Ainda no exterior foi Gastdirektor da Orquestra do Teatro da Ópera de Bielefeld, Alemanha (1984), e Maestro visitante da Orquestra Sinfônica de San Diego, USA (1992). Atualmente acumula ainda as funções de Maestro Principal convidado da Orquestra Sinfônica Collegium Musicum de Potsdam, Alemanha, e de Maestro Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, SP.

Desde 1998, Dr. Knut Andreas é Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Sinfônica Collegium Musicum Potsdam (OSCMP), que, nascida como orquestra de câmara, sob sua direção tem hoje mais de 75 músicos: uma das maiores orquestras do Estado de Brandenburgo. A orquestra tem viajado nos últimos anos para diversos países, incluindo a Eslovênia, onde uma apresentação da “Carmina Burana” de Carl Orff, por ocasião da cerimônia do “Dia da Reunificação da Alemanha” com mais do que 1.500 ouvintes, ganhou destaque. Com a OSCMP, Knut Andreas criou programas de educação musical para crianças, jovens e famílias, e recentemente para idosos, que vivem em asilos, conectando o público de todas as idades com a música erudita. Iniciou uma série de concertos populares ao ar livre, intitulada “Klassik am Weberplatz” e, desde 2011, com o apoio do Governo do Estado de Brandem¬burgo, desen-vol¬veu o projeto “Brandemburgo-Brasil”, com o objetivo de realizar um intercâmbio cultural entre o Estado de Brandemburgo e o Brasil. Neste projeto, nos três últimos anos, a OSCMP recebeu vários solistas e regentes convidados em Potsdam, entre eles o trompetista Paulo Ronqui, a cantora Eliana Printes e o maestro Parcival Módolo.

Knut Andreas nasceu na cidade de Potsdam, Alemanha. Iniciou seus estudos musicais ao violino e, a seguir, piano, viola e fagote. Estudou Educação Musical, Regência e Fagote na Universidade de Potsdam. Seus mentores na regência incluem Ronald Reuter, Dorian Wilson e Werner Andreas Albert. Mais tarde estudou musicologia em Leipzig e na Universidade “Ludwig Maximilian” de Munique (LMU), onde obteve, em 2008, o título de doutor, para o qual realizou pesquisa sobre o compositor alemão Paul Graener, lançando, no mesmo ano, um livro sobre a vida e a obra deste músico. Em 2004 Knut Andreas foi convidado para gerenciar o Encontro Internacional de Orquestras Jovens de Neubrandenburg, Alemanha, cargo que ocupou até 2008. Em parceria com a Universidade de Harvard, EUA, e a Fundação Paul Sacher, em Basel, Suíça, organizou a Conferência Internacional de Musicologia “Cross Currents: Interação Musical Americana e Europeia, 1900-2000”, na Universidade “Ludwig-Maximilian” de Munique, com a participação de Paul Hillier e Steve Reich

Depois de seus estudos em Potsdam, Leipzig, e Munique, Knut Andreas trabalhou como regente assistente da Orquestra Filarmônica de Neubrandenburg e regeu o coro e a orquestra do Instituto de Musicologia da LMU. Em 2012 e 2013 foi convidado pelo festival de música antiga “Musikfestspiele Potsdam Sanssouci” e pelo festival de ópera de Potsdam para reger “O Messias” e “Jephta” de Händel. Em maio deste ano regeu a Kammerakademie Potsdam no “Wiener Festwochen” (Festival de Viena, Áustria). Nos últimos anos foi regente convidado de diversas orquestras brasileiras, entre elas, a Orquestra de Câmara OPUS de Belo Horizonte, a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, a Orquestra Sinfônica da UNICAMP e a Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto. Com a Orquestra Sinfônica da UNICAMP Knut Andreas estreiou em 2014 o concerto para trompete e orquestra do compositor alemão contemporâneo Gisbert Näther (trompete: Paulo Ronqui) e em 2015 o concerto para vibrafone e orquestra do compositor brasileiro Luciana Nazario (vibrafone: Fernando Hashimoto). Desde janeiro de 2015, Knut Andreas é regente titular da Orquestra Sinfônica Jovem de Berlim com sede no “Georg-Friedrich-Händel-Gymnasium”.

Desde 2011 Knut Andreas ministra cursos de formação orquestral, música do século XX, estética e pedagogia da cultura na Universidade de Ciências Aplicadas de Potsdam. Recentemente, deu cursos de Educação Musical na Universidade Mackenzie, São Paulo, e master-classes de regência no Instituto das Artes da UNICAMP. Além do mais, trabalha como escritor para as gravadoras Audite e CPO.

Em julho de 2012, Knut Andreas foi premiado pela Academia de Letras e Artes de Paranapuã, Rio de Janeiro, com a medalha “Austregésilo de Athayde”, por seu trabalho intercultural entre Brasil e Alemanha. Paralelamente, a cidade de Potsdam premiou seu desempenho frente à Orquestra Sinfôncia Collegium Musicum Potsdam, orquestra esta que há mais de 70 anos desenvolve atividades culturais em prol da população da cidade. Em 2015 o Ministério da Cultura do Estado de Brandenburgo (Alemanha) apoiou a participação do maestro Knut Andreas num projeto da inclusão social na cidade de São Paulo onde ele trabalhou com uma orquestra didática formada por crianças e adolescentes em situação de risco.